17 thoughts on “Ford Escort XR3, Atibaia, SP, by Daniel

  1. E pensar que já foi um dos carros mais caros do Brasil…triste terminar assim…deve estar destruído por dentro…judiação…

    • Pois é…
      Se converter o preço apenas com base no salário mínimo, para ter uma noção da inacessibilidade do modelo, em 1989 ele custava absurdos 367 salários mínimos, ou seja, o que seriam R$ 320 mil atuais.
      Se analisar a oferta de modelos de mercado e a proporção de preços entre as categorias, hoje custaria pouco mais de R$ 160 mil.
      Se converter pela Correção IGP-M do Banco Central, que é mais próximo da realidade, custaria R$ 284.720,00.
      Ou seja, caro de qualquer forma… hehe

      Penso o mesmo toda vez que vejo um em péssimo estado, seja rodando, abandonado ou no ferro-velho.

  2. Deve ter tido o azar de cair nas garras de algum manolo e terminou assim. Conforme o Barbudo disse, na epoca custava uma grana preta e mesmo novo ja tinha problema de infiltraçao na capota.

    • Tinha mesmo problema de infiltração quando novo? Até hoje só tenho ouvido lendas sobre isso. Quem teve experiência na época só fala bem desse quesito.

      Conheço uma pessoa que tirou 0km em 1989 e não tinha nenhum problema de infiltração. A única coisa que ele não se acostumava era com a maior torção da carroceria.
      As revistas que testavam na época, como Quatro Rodas, Auto Esporte e Oficina Mecânica, todas elogiavam muito a vedação contra água e poeira.
      Imagino que pela qualidade que a Karmann-Ghia exigia em seus produtos, não era para ter esse tipo de problema.

      Há mais de 10 anos tenho um desses, ano 89. A única região em que entra água é na junção do pára-brisa com a porta, no canto superior do lado direito. E só entra em chuva muito forte. Isso é por causa de duas borrachas ressecadas que, infelizmente, não existe para reposição.
      Isso falo de um carro com 27 anos. Então, acredito que quando novo não tinha problema.

  3. Não consigo reconhecer o ano desse aí. Tá uma mistura!
    Aparente geração de 87 a 92.
    Visual de 90 a 92.
    Lanternas de 85 e 86.
    Cor desbotada, mas acredito ser Rosso ou Radiante, podendo ser de 85 a 91.
    Em sabendo que era normal “atualizar” o ano-modelo, não dá nem para chutar se é da primeira ou segunda geração.

  4. O Escort XR3 está sendo cada vez mais valorizado, ainda mais os conversíveis.

    Esse pelo visto não compensa recuperar. Como o amigo Daniel disse em cima, esse XR3 virou uma salada de peças.

  5. Infelizmente R.I.P
    Dos escorts, apesar do CHT, curto as primeiras gerações, principalmente os primeiros conversíveis.

    Ele é meio chato de achar algumas peças de acabamento que são exclusivas dele, mas é bacana um inteirinho .

  6. Raridade, outro dia em um encontro de antigos, tinha o clube dos xr3 conversivel e kadett gsi tbm, nunca vi tantos deles inteiros e conservados juntos, tinha de todos os modelos, exceto da primeira geração de xr3, a maioria deles tanto kadetts quanto xr3 eram brancos, impecaveís, e todos de capota aberta….um show!
    Eu adotaria, mas pelo jeito esse ai, nem documentos deve ter mais, infelizmente é somente doador e prensa do que sobrar!

  7. “do luxo ao lixo” ta ai uma dica de sessão a ser criada

    guardem o que eu estou falando, hj em dia ficamos pasmos quando nos lembramos de quando ninguém queria maverick, dodge, landau e custavam nada, muitos abandonados…daqui a uns anos este escort vai valer uma nota preta mesmo em mal estado e vamos se lembrar que ninguém queira…

    • Já venho me preparando como posso para esse fato… hehe
      Na época em que se comprava Dodge Charger em bom estado pelo equivalente a R$ 6 mil atuais, sonhava com um como meu primeiro carro, não pensava que um dia voltaria a ser caro. Por volta de 94, meu tio quase comprou um por 500 reais!
      Mas quando cheguei à idedade para poder comprar, o preço já tinha saltado para a média de R$ 80 mil. Então tive que aceitar que não era possível e fui atrás de outro carro que sou grande admirador desde a infância, justamente o XR3 Conversível. Na época, ele estava na pior fase , a das trevas, com vários sendo sucateados. Mas, desde então, estão tomando muito valor, tanto financeiro quanto histórico. Continuarei firme e forte com o XR3, independente de quanto poderá valer um dia.
      Acho que a diferença para os Dodge, Galaxie e Maverick é que eles tiveram um número maior de unidades destruídas em pouco tempo. Só lembrar do demolicar, dos filmes dos Trapalhoes, de carros inteiros que iam para o ferro-velho, consertos que era mais viável fazer de 3 carros um só, ao invés de arrumar todos, etc. Agora, com o Escort, a internet acelerou o processo de valorização, sendo mais por especulação do que pela fase de se tornarem antigos. Por um lado é bom que dá tempo de salvar um maior número de carros, mas em menos tempo chegarão a preços assustadores, inclusive suas peças.

  8. Tenho um 89 e o maior problema deste modelo 87/92 é a estrutura!
    Pela falta de teto o monobloco sofre uma torção enorme que acaba rachando longarinas e caixas de roda,se rebaixar então racha o carro todo.O conserto é caro e nem todos estão dispostos a pagar.
    Se usar ele como único carro ele se acaba no tempo!
    Tenho o meu como segundo carro para fins de semana.
    Manutenção cara e peças caras e dificeis de achar.

    https://www.youtube.com/channel/UC5JuOGL3coM20plNZ_tzAzw

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.