37 ideias sobre “Chevrolet Brasil

  1. Não eram essas camionetes que eram conhecidas como Marta Rocha?
    Essas latas são das boas não amassam por qualquer coisa só que ai como fica a segurança?
    É legal de ver nesses antigos e que eram enormres de lata por fora ja por dentro era pequeno.
    Hoje acontece ao contrário.

  2. Esse tá um lixo…….tem que tirar o que ainda der para aproveitar e jogar o resto no moedor de sucata da Gerdau………..isso é um criadouro de pragas além de ser foco de dengue……….

  3. E falando em Chevrolet Brasil, alguém saberia o destino da Chevrolet Amazona que ficava aqui em Porto Alegre, na Praça Florida, próximo à Av. Farrapos? Nunca mais a vi.

  4. Olá amigos…vcs poderiam me ajudar?
    Tem um Opala aki em Cássia – Mg , um Opala Comodoro 1982 teto las vegas com 7 anos de atraso..pago até 2004.Saberiam me dizer quanto fika em dinhero total todos esses ano de atraso?Os 7 anos q faltam!queria adotar ele e documentá lo em dia certinho!!!Obrigado.se puderem me ajudem!

    • É mais fácil e preciso tu ligar para o Ciretran ai da cidade e descobrir certinho isso…aqui no RS se o carro ficar 10 anos sem pagar os documentos ele deve só… DOIS ULTIMOS!
      Vendi um Dodge ano passado que o ultimo licenciamento foi em 1988.. ele devia quanto? R$ 233, !

      • Obrigado pela dica 😀 Mas o preço de ipva,licenciamento é tudo a msm coisa no Brasil intero??Tipo o valor dele aki em Cassia de Documento seria o msm aii em RS?

        • procure na internet o cite do detran ou ciretran de seu estado.
          coloque a placa e o renavam e veja o que tem de débitos.
          é muito fácil verificar isso.

          pelo que eu sei o ipva mais caro do brasil é o do RS.

          boa sorte

          • ha, e não esqueca de ver os numeros do chasis e motor, se tem multas etc.

            tb não esqueça de ver no nome de quem esse carro se encontra, se a pessoa já morreu, se não esta em litigio etc.

            sorte.

          • Certo, pelo site do Detran de Mg só mostra q tem docs pago até 2004 e não tem multas!!!Obrigado:D

  5. So achei estranho este motor, devido as duaspolias na frente. Se fosse 6cc seria uma só. Esta com cara de motor perkins ou dodge diesel e se realmente for, vai cansar de empurrar que náo vai pegar.

  6. Coloquei este Blog no ar, motivado pela resposta que recebi do depto de relacionamento da General Motors – Chevrolet, que em nome da diretoria disse que não poderia fazer nada, ou seja, não conte comigo. Leia a carta abaixo:

    http://www.youtube.com/watch?v=TkkOCDkBeOE

    naocontecomigo.com

    À
    GENERAL MOTORS DO BRASIL
    A/C:
    São Paulo SP
    Londrina, 23 de Agosto de 2010.
    Prezados (as),
    Meu nome é Spartaco Puccia Filho, sou publicitário. Trabalho na área de comunicação desde 1979 e sou proprietário há 19 anos da SpB Comunicação, uma das mais importantes agência do Norte do Paraná.
    Neste sábado, ao ler meu exemplar do Jornal Folha de Londrina, a notícia da visita do Diretor Presidente da Metronorte Concessionária Chevrolet de Londrina, à redação deste veículo de comunicação, não pode deixar de chamar minha atenção. O objetivo da visita era comunicar a eleição da Metronorte, pela revista “Carro”, como a melhor Concessionária do Brasil. Notícia esta que despertou a necessidade de expor a minha história.
    História esta que também faz parte da história da marca Chevrolet. No dia 05 de fevereiro de 1997, investi na compra de um automóvel Chevrolet, modelo Ômega CD, 4.1, 06 cilindros, cor cinza baudry, DO8, pintura metálica, duas camadas, N.I.V 9BGVR19LVTB203943, série O, ano 96/97, movido a gasolina e com câmbio automático. Um grande carro, que representava um importante momento da minha vida. Momento solene de entrega com foto e álbum enviado para minha casa.
    Ao viajar para São Paulo, no primeiro final de semana após a compra, muito animado após ter cumprido uma aspiração, ao passar dos 80 km/h, o carro trepidava violentamente a parte traseira. Jamais poderia prever que era o início de um pesadelo que ainda não terminou. Foram mais de 20 idas à Concessionária Metronorte e a abertura de intermináveis ordens de serviços. Entre os episódios dramáticos, a perda do freio do carro em plena marginal Tietê, em pleno caos da cidade de São Paulo, momento de pânico e desespero com minha esposa, impossível de esquecer. Infelizmente este não foi o único e relacionar todos eles não caberiam em uma carta.
    A ação foi ajuizada em outubro de 1998. Em primeira instancia, após a perícia pedida pela GM, foi dado como sentença a devolução do valor pago e danos morais. Na seqüência iniciou-se uma via crucis jurídica em Curitiba e agora em Brasília.
    Como consumidor, tento entender, mas confesso que não consigo. Como profissional da área de comunicação e marketing, muito menos. A razão que leva uma das empresas mais importantes do mundo, a não se dedicar a realizar o básico: conversar, entender e procurar resolver o problema de um cliente: que comprou um carro de alto valor agregado, que acreditou no produto e na marca. Cliente este que nunca criou qualquer constrangimento nem ao fabricante e muito menos à Concessionária. E em contrapartida, foi submetido a um grande prejuízo financeiro e moral.
    Escrevo esta carta renovando minha expectativa em uma nova solução para o problema de um cliente que há 13 anos comprou um carro que não usufruiu. Um carro que ocupa o espaço de algo que eu acreditei. Um cliente que todos os dias se depara com um sonho transformado em sucata em sua garagem. A lataria enferrujada, os pneus furados, o estofado apodrecido. Sucata que traz a minha marca nela: a placa ASP1309, significa as iniciais de meu nome e respectivamente o mês e o ano de meu nascimento. Diariamente aquele amontoado de ferro, anuncia um bem que minha família não usufruiu. O sonho do transporte privado, sinônimo de guincho, táxis, carona e, por fim, carro algum. Aquele investimento até a data de hoje não consegui repor.
    Como profissional da área, entendo que: CONTE COMIGO, não é somente um slogan publicitário, mas sim, uma promessa que nasce de uma verdade. Acredito que as empresas têm por obrigação evoluir, não apenas por que o mercado exige, mas por que consumidores são acima de tudo pessoas.
    Comigo puderam contar. Agora eu conto com vocês.
    Se é esta a promessa da marca, que ela seja então verdade.
    Spartaco Puccia Filho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*