22 thoughts on “Fontanari, veículo feito 'à mão', made in Alegrete-RS!

  1. Sem dúvida nenhuma, um belo automóvel!!! Gosto muito das rodas raiadas ou como diziam, de arame, que envolvem um charme todo especial.

  2. Fico admirado como havia empreendedores arrojados que arregaçavam as mangas e faziam carros “home made” na década de 70/80.
    A inspiração remete aos MG da década de 50 que viraram “cult” e ficaram marcados pelo adocicado filme “love story” .
    O romantismo em voga nessa época traduzido por um carro inglês de dois lugares e aspecto retrô estimulou as réplicas feitas pela Lafer (fabricante de móveis) com o MP Lafer e o modelo da Avallone .
    O simpático Fontanari resume esse “revival” acrescentando a “pimenta” da saida do coletor externo …
    Muito bacana a joinha .
    Parabéns ao Sr. Fontanari e uma homenagem à Alegrete a “little Detroit do RS ” .
    abçs

    • Valuck, tinha um vizinho meu que era mecânico de aviação e guardava, dentro de sua garagem em Teresópolis um legítimo MG Inglês que ele estava reformando há anos…o tempo passou e ele partiu, sem conseguir realizar o seu sonho. O seu carro era do tempo de juventude e ele ainda havia guardado várias peças de reserva, caso um dia necessitasse.
      O tempo é implacável para todos.

      • o MG foi a minha primeira paixão automotiva aos 7 anos … risos
        tinha um creme e com paralamas marrons 51 ou 52 , creio, e que ficava parado defronte ao prédio que eu morava nos campos elísios em SP.
        Não cansava de ficar olhando a belezinha .
        Mais tarde acabei namorando um abandonado que ficava defronte ao Copan e próximo ao clube de xadrez de sp .
        Era um belíssimo 53 ou 54 TF branco .
        http://www.conceptcarz.com/view/photo/321042,9751/1955-MG-TF-1500_photo.aspx
        ficou alguns meses abandonado e foi triste o dia em que o DSV (na época ) removeu para o páteo guinchado …

          • Prezado Valuck, pelo visto, sua paixão pelos inúteis remonta sua infância, rs. Quanto ao MG, repousa inerte na garage do falecido dono.

          • caracas !!! estimado José Antonio, repousa ainda no “sepulcro” o MG ?
            E há ainda esperança de trazê-lo à luz de sua ‘masmorra’ ? risos
            Há como se contatar com o devido respeito os familiares ?
            Sim , caro José Antonio minha paixão automotiva vem desde a infância e sempre pelos mais antigos e quase nunca pelos atuais … que quase sempre recheados de tecnologia para te “poupar” do prazer de dirigir … rs
            quanto menos ‘parafernálias’ … melhor …
            ( sensor de chuva, sensor de estacionamento, computador de bordo, sensor de luminância, piloto automático, baliza programada por computador, leds “inteligentes” … ehehehe )
            não duvide que caminhamos para ser apenas “passageiros” desses (SIC) carros .
            Fora o fato de que por serem componentes eletro-eletrônicos , em um caso de pane vc vira ‘passageiro de trem fantasma’ … hehehe …
            o kart e o carrinho de rolemãs são fascinantes porque só tem o ‘essencial’.
            abç
            Ps.: desculpem colegas por esse desabafo pessoal, mas toda essa “tecnologia’ me cheira a “espelhinho dado aos índios “pelos “conquistadores ” … hahaha …

          • Amigo Valuck, este MG repousa em uma garage de uma casa na mesma rua em que moro. Vou procurar saber do carro e se a família tem intenção em vendê-lo e espero poder trazer boas notícias.
            Um abraço

          • caramba, amigo José Antonio gratíssima notícia . Quando nos referimos aos amigos do blog como “confrades” é justamente por esse entusiamos quase “devocional” a uma causa .
            Aqui pelo visto somos todos entusiastas desses antigos abandonados à própria sorte e cuja sina é tentarmos reverter trazendo-os de volta à vida .
            grato de antemão pelo empenho.
            Forte abraço.
            Ps.: Martim essa do espelhinho sem insulfilm foi ótima …
            hehehe … índio não é bobo não …

    • Amigo Valuck, fui me informar sobre o destino do MG após o falecimento do seu proprietário e me informaram que na partilha dos bens um dos filhos ficou com o carro e as demais peças sobressalentes a serem utilizadas na restauração. De qualquer forma, estou ligado e se souber da intenção de vendê-lo entro em contato. A busca continua e um dia você terá o seu MG.
      Abraços

      • Mui grato, amigo José Antonio.
        E por outro lado fico feliz que um dos filhos tenha assumido a adoção.
        Imagino o quanto representa em “sentimento” essa tarefa .
        Puxa, seria interessante se conseguisse um contato com o filho e informasse sobre os dois blogs o “inúteis” e o “adote” e se ele se interessaria em mandar fotos dessa relíquia familiar antes do restauro e durante, se possível.
        Creio que os votos de sucesso pela “empreita” sejam unânimes pelos blogueiros desta confraria.
        Forte abraço e outra vez grato pela “andança” … rs
        Ps.: a título de agradecimento, se lhe interessar envio uma das 4 Rodas antigas de minha antiga ex-coleção … rs

        • Valuck, vou procurar o herdeiro do MG e falar com ele sobre o site e se ele se dispõe a colaborar com fotografias da evolução do MG, que como a Fenix, ressurgirá das cinzas em que repousa.
          Quanto a revista é claro que eu quero, pode enviar que será bem recebida e, em contrapartida, lhe enviarei um fascículo da”Mecânica Popular”. Você se lembra??? Tenho em casa alguns exemplares ainda bem conservados, com capa e tudo mais.
          Vou verificar se tem sobre algum nacional que ilustre a capa.

          • Ótimo, seria uma das “jóias da coroa” do blog . Um clássico a caminho doo seu retorno à vida .
            Muito legal a idéia do “escambo’ rs …
            Via email trataremos das finalizações postais .
            Meu tio é quem colecionava a “Mecânica Popular” e na época tinha um fusca com aquela “babaninha” na coluna se não me falha a memória era um 59 .
            Eu tinha a coleção de 4 Rodas desde o número “zero” o chamado “boneco” da revista com uma cartinha de Victor Cívita convidando as empresas a anunciar na revista que sairia em agosto ( 1960) .
            Estavam impecáveis até que numa mudança desastrada sofreram as intempéries de uma malfadada “guarda” e muitas ficaram danificadas . As sobreviventes tenho cedido aos ganhadores dos “quiz” daqui do !inúteis” e do “adote” . Se tiver preferência por algum antigo vejo se localizo alguma nas edições “sobreviventes” … rs
            abç.
            valuck@uol.com.br

          • Caro Valuck, vou procurar uma “Mecânica” bem ao seu gosto que pelos posts publicados dá para ter uma idéia. Quanto as 4 Rodas perdidas, não desanime, são coisas da vida para nos fazer contar histórias. Quanto a sua oferta, muito generosa, diga-se de passagem, ficarei muito grato se você puder disponibilizar um exemplar do Opala Laranja Solar 1972 – 4 cilindros, 4 portas, como o que eu tenho em casa. Se não tiver, não esquenta não, gosto mesmo é de carro, dos antigos de preferência, câmbio na coluna e pé direito embaixo.
            Meu email: jaf-santos@bol.com.br

            abraços,

  3. Muito bonita a réplica do MG, perfeito acabamento dos detalhes com um toque de agressividade na saída dos coletores. Parabéns.

  4. e um belo carro e uma pena que as leis de hoje nao se permitem mais fazer replicas de carros antigos e artezanais graças ao detran nada mais se pode isso que eu chamo de BURROcracia.

      • pois e Fernando aqui no estado do RS nao se permite emplacar motor homes gaiolas de auto cross triciculos artezanais e quadriciculos.
        no caso dos motor homes apenas veiculos de fabrica nao se permite a tranformaçao de onibus comum em motor home.
        contruir um carro sai caro tambem acho que hoje nao fariao tamto suscesso por causa dos importados.

Os comentários estão fechados.