31 thoughts on “Ford Belina, contribuição Luís Fernando – Taquara/RS

  1. Se tem bagageiro com certeza era carro de pedreiro! A retífica disso ai é barata e simples, parece estar até boa de lata e provavelmente o dono não tem dinheiro pra arrumar e terminou por ai. Se o dono vendesse por até uns 1000 reais vale a pena a restauração, é um carrinho valente.
    Esta era a concorrente da Variant certo? Lembro de ter visto isso na Quatro Rodas uma vez.

    • Caro Tiago , pode apostar que essa nunca mais volta a rodar de tão ruim que está . Ela a muitos anos está aí ao lado de um posto de combustivel , na estrada de Rolante e o estado dela é deplorável . Adoro esses modelos e ainda rodam muitas aqui no Sul em bom estado . Só encontrei ela porque desviei da estrada principal para cortar uma enorme fila de carros no sol escaldante daqui .

      • Se eu morasse ai perto estava restaurada hehehe. As peças são de fácil aquisição e doc pra arrumar não deve ser um bicho de sete cabeças! Meu amigo comprou um fusca 1972 que estava à 30 anos parado, com podres, motor fundido, bancos destruídos e tudo que você imaginar nele estava ruim. Ele reformou inteirinho, deixou o motor zero e ainda colocou uma turbina de sei lá quantos de pressão tinha. Se o assoalho ou a estrutura não apodreceu inteiro então tem conserto! Caso contrário o barbudo toma conta hehehe

      • aew amigo meu pai comprou essa caminhoneta faz pouco tempo e nao faz tanto tempo nao faz uns 4 meses e ele so nao fez ela ainda por que nao teve tempo nao tem nada a ver com dinheiro entao quando fizeres um comentario deste tipo cuide pois o dono pode estar lendo.
        Obrigado.
        Juan!

  2. Parece muito com um carro da Renault que eu não sei o nome…
    Mas essa aí pode não merecer um restauro, mas no mínimo uma boa reforma.

    Fica até legalzinha.

  3. Acho que já era, bem ferrada e judiada! Gosto do modelo, mas prefiro um corcel I ou II, essa tem um problema crônico de quebra de cruzeta, salvo se for modelo 76 ou 77…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *