10 thoughts on “Alfa romeo 145 – Guilherme Lobato – Brás – SP

  1. Acho lindo estes alfas, mas não encaro não, pois são encrencas das brabas. É praticamente inviavél manter um Alfa no Brasil pois nem quando novos tinham peças, imagina agora.

    • PS: Este , se não me falha a memória, ja saiu aqui nos C.I , e parece que tem algum cuidado esporádico , pois até esta razoavelmente limpo.

    • Não é bem assim meu prezado, tive (vendi há 2 meses) uma 156 por pouco mais de dois anos, entre peças novas compatíveis – principalmente do Marea, Tempra e Tipo – outras usadas – encontradas à profusão em desmanches – e a possibilidade de comprar nos e-bays da vida ninguém fica na mão em relação a isso! E concluo dizendo que na verdade o carro é muito bom e resistente, ao contrário do que se diz por aí, basta cuidar honestamente!

  2. É muito bonito esse modelo, e até hoje acho que só vi uma abandonada, vermelha, já do 164 tem de penca abandonada, e 156 tbm. Tbm acho que é somente doadora, pelo baixo valor de mercado, e grande custo para levantar uma alfa dessas paradas a longo tempo. Doadora e prensa!

    • ola novo aqui no site , não conheço muito de carros antigos por isso gostaria aprender mais com vcs, esses alfas foram trazidos pela fiat mas a mesma os abandonaram não fornecendo manutenção e deixando os proprietarios na mão……

  3. A Alfa deveria ser separada da Fiat em termos de concessionários, moro em Portugal e em toda a Europa é assim, mesmo porque o motor boxer da Alfa é algo diferente dos demais fiats, apesar de se aproveitar algumas peças da fiat, mas aí no Brasil, a Alfa foi sempre tratada de forma marginal, primeiro fabricava sob licença da Alfa Romeo o FNM 2000 e depois o 2150, até 1973, a partir de 74 até 86 com o Alfa 2300 ficou sob fabricação da Fiat, mas também não faz sucesso por ser um carro caro, apesar de ainda ver a mesma qualidade e acabamento,ainda hoje nos atuais carros italianos .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *